plantio-cafe-adensadoCafeicultura

Cultivo do Café – Vantagens do Plantio Adensado

O húmus no solo representa uma fase importante da fermentação da matéria orgânica em seu estado de decomposição e mineralização de seus componentes químicos. Tem características e propriedades físicas e químicas notáveis que contribuem para aumentar a produtividade de todo e qualquer solo agrícola, em toda e qualquer cultura.

Em Informações Agronômicas, nº 80 – Dezembro/97 da POTAFOS – Associação Brasileira para Pesquisa da Potassa e do Fosfato – Piracicaba -SP encontramos uma pesquisa de grande profundidade dos pesquisadores M. A. Pavan; J. C. Chaves; R. Siqueira; e A. Androcioli Filho do IAPAR- Londrina -PR com o título “Cultura do Cafeeiro – O Sistema de Plantio Adensado e a Melhoria da Fertilidade do Solo” que pela sua importância para nossa região cafeeira, quando se intensifica aqui o adensamento de nossos cafezais, achamos oportuno transcrever as informações abaixo;

“Introdução – O principal objetivo dos programas de manejo de planta e solo é a obtenção de produções lucrativas e sustentáveis. Do ponto de vista agronômico, a sustentabilidade em lavouras cafeeiras pode ser alcançada com o uso de práticas conservacionistas de solo e água. Os processos de degradação do solo, como erosão, lixiviação, oxidação da matéria orgânica, acidificação e outros, reduzem a capacidade produtiva do solo e retardam o progresso para a sustentabilidade. Por outro lado, as práticas de adensamento, adubação verde, calagem, terraceamento, escarificação, e outras, garantem a melhoria das condições físicas e químicas do solo.

 

O declínio contínuo da capacidade produtiva do solo tem sido um dos maiores problemas associados com plantios de cafeeiros em espaçamentos largos ou com baixa população de plantas por unidade de área. Nestas condições, a erosão, a lixiviação e a oxidação da matéria orgânica e de outros compostos como N – NH 4+ são processos relativamente rápidos que contribuem para a acidificação contínua e aceleração da degradação da fertilidade do solo. Os sistemas de plantio com baixa densidade de plantas por unidade de área têm contribuído de tal forma para acelerar os processos de degradação do solo que pode-se atribuí-los como sendo uma das principais causas de abandono da cafeicultura em muitas regiões cafeeiras. Por outro lado, a lavoura cafeeira adensada é um sistema conservacionista que protege o solo, diminui as perdas por erosão e lixiviação, diminui a oxidação da matéria orgânica, proporciona melhor manejo dos resíduos vegetais e melhora o sistema interno de reciclagem de nutrientes, principalmente N, diminuindo as perdas de N03 do ecossistema, que é uma das principais causas de acidificação do solo.

O número de plantas por unidade de área é um dos principais aspectos a ser definido na implantação de uma lavoura cafeeira, não só pela influência na produção, mas também devido as interações com os tratos culturais (adubação, colheita, manejo das ervas daninhas, poda, etc.) e fitossanitários. Em um estudo conduzido no Norte do Paraná, observou-se que o aumento na população de cafeeiro de 1.250 a 2.500 covas/ha proporcionou aumentos significativos na produção de duas variedades de café (Catuaí Vermelho e Acaiá) e do híbrido Icatu. Com base em uma série de resultados de pesquisas de campo concluiu-se que o sistema adensado de plantio de cafeeiro, caracterizado por altas populações de plantas por unidade de área, é uma prática viável para as condições da cafeicultura paranaense, devido principalmente ao substancial aumento na produtividade. Recentemente, constatou-se em um outro experimento no Norte do Paraná que o aumento na população de cafeeiros de 1.111 a 3.333 covas/ha não só aumentou a produção de café como era previsto, mas também a eficiência das plantas no uso dos nutrientes minerais.

Embora existam informações suficientes de que o aumento da população de cafeeiros por unidade de área proporciona aumentos na produção, pouco se conhece sobre os efeitos ambientais associados com a fertilidade do solo. Este fato é de suma importância.”

Como e porque o adensamento do café protege e melhora o solo, contribuindo para uma maior produtividade por área cultivada? Qual a diferença que faz passar, por exemplo, de 2.000 pés (do sistema tradicional) para 4.000 pés por hectare no adensado? Que beneficio existe em dobrar o número de cafeeiros por área cultivada? Como se explica a melhoria da fertilidade do solo, tendo como resultado uma maior produção, maior lucro do cafeicultor com melhor conservação do solo? As respostas estão no artigo “Sistema de plantio adensado e a melhoria da fertilidade do solo, de Informações Agronômicas, dezembro/97, que continuamos a reproduzir abaixo, como a seguir;

1) Após l4 anos de implantação do experimento, constatou-se que o aumento da população de cafeeiros por unidade de área melhorou as condições de fertilidade de um solo ácido degradado. O aumento na população de plantas causou aumentos sistemáticos do pH, Ca, Mg, K, P, MO, e CTC efetiva e diminui Al trocável. Estes efeitos foram mais pronunciados para o Catuaí Amarelo em relação às demais cultivares.

2) O adensamento e a matéria orgânica do solo – O aumento da densidade de cafeeiros aumenta o teor de matéria orgânica no solo. As principais fontes de matéria orgânica em uma lavoura cafeeira são; resíduos vegetais de ervas daninhas; folhas e ramos do cafeeiros caídos naturalmente ou desprendidos durante a colheita; compostos orgânicos liberados pelas raízes, tais como exsudatos, mucilagens e células mortas; respiração radicular e microbial e decomposição e raízes e microrganismos mortos. assumindo que a contribuição de ervas daninhas é diminuta em lavoura adensada, o acúmulo de matéria orgânica obtido pode ser devido à maior quantidade de massa vegetal produzida por unidade e área, à redução das perdas por erosão e a menor atividade biológica, reduzindo a oxidação da matéria orgânica. O acúmulo de matéria orgânica no solo em cafezal adensado é o aspecto mais importante que ajuda a melhorar a produtividade do solo, devido à sua alta contribuição (80 a 90%) para a capacidade de troca de cátions (CTC) dos solos do Paraná.

O aumento na população de cafeeiros diminuindo a atividade microbiana pode ser observada pela evolução de C02. Este resultado pode explicar o acúmulo de matéria orgânica no solo em lavoura adensada. A menor atividade microbiana em cafeeiro adensado pode ser devido a menor intensidade da luz. Por outro lado, a colonização radicular por fungos MA (Micorrízios Arbusculares) aumenta e a esporulação no solo diminui com o aumento da população de cafeeiros. A maior colonização de fungos MA pode contribuir para aumentar a absorção de P e de micronutrientes em sistema adensado de cafeeiros.

3) O adensamento e o pH do solo – O aumento do pH do solo com o incremento na população de cafeeiros pode estar associado a um conjunto de mecanismos interdependentes, tais como; aumento no teor de matéria orgânica pela menor mineralização dos resíduos orgânicos depositados na superfície do solo devido a menor atividade biológica; menores perdas de solo e de cátions orgânicos básicos por erosão hídrica devido a maior proteção da superfície do solo; maior adsorção de íons H+ livres por ânions orgânicos com pK maior que o pH do solo, proporcionando o efeito alcalino dos compostos orgânicos de origem vegetal e talvez o mais importante esteja relacionado com o ciclo do NITROGÊNIO, pois se sabe que o aumento na população de cafeeiros aumenta a eficiência no uso do N, minimizando as perdas de N03 por lixiviação e consequentemente diminuindo a acidificação causada por fertilizantes nitrogenados.”

Assim, das pesquisas reproduzidas acima de “Informações Agronômicas, dezembro/97” podemos concluir que o sombreamento total e permanente da superfície do solo no café adensado evita a evaporação da água da chuva pela menor temperatura da terra, permitindo sempre um teor de umidade mais elevado, uma flora microbiana especial e benéfica, criando um meio ambiente com um microclima favorável ao prolongamento da fase útil da matéria orgânica, além de uma crescente e autossustentável produção desta matéria orgânica, que decompondo mais lentamente, eleva o teor de húmus. O húmus, sabemos, possui características importantes como fator positivo para melhorar as propriedades físicas e químicas do solo, como; torná-los mais leves, mais porosos, com menor densidade, melhor arejamento, facilitando a penetração e desenvolvimento das raízes em beneficio da parte área das plantas e da produtividade. O café adensado possui semelhança com o atual sistema de plantio direto na palha, que ganha importância no mundo atual, como o mais produtivo e mais lucrativo e que melhor protege o solo evitando as intempéries provocadas pelo uso de máquinas pesadas no seu preparo pela aração, gradeação, e sua exposição direta ao sol e a chuva, provocando erosão, compactação, perdas por lixiviação, oxidação, etc. Naturalmente o sistema adensado precisa ser fertilizado com os adubos químicos em qualidade e quantidade adequados para revelar sua superioridade grandemente vantajosa, em beneficio das gerações presentes e futuras.

(14/07/1998) Ruy Gripp

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.