Meio Ambiente e Reflorestamento

Eucalipto – Importante para Economia e Reflorestamento

No Brasil, infelizmente, muitos se posicionaram contra o EUCALIPTO, divulgando informações que não são verdadeiras a respeito desta nobre cultura. Características negativas apontadas e repetidas constantemente até mesmo por técnicos da área agronômica, ficaram gravadas na memória da população como sendo reais, considerando o eucalipto uma espécie nociva, indesejável, prejudicial ao meio ambiente. Em geral divulgou-se que o eucalipto resseca a terra, consome muita água, depaupera o solo, acaba com a fauna, etc. Enfim, que ele é um vilão, um intruso por ser exótico, com origem em outros continentes.

As características pejorativas divulgadas contra essa essência vegetal tão importante economicamente, tem prejudicado muitas regiões e milhares de agricultores, por deixar de emprega-lo no reflorestamento. Não plantando o eucalipto, simplesmente não reflorestam, porque todas as outras essências florestais, de um modo geral, não apresentam rendimentos econômicos satisfatório a curto prazo. Demoram muito a desenvolver. Têm crescimento lento e aplicações de uso restrito.

Eucalyptus tree against sky

Mas o Eucalipto é “Pau para toda obra” como para: celulose/ papel; combustível-lenha/carvão; postes/ moirões de cerca; construções civis; madeira de serraria para móveis, escoras, etc. E principalmente, por ser uma espécie com centenas de variedades, já muito estudadas e selecionadas no mundo inteiro, atende a todo tipo de solo (do arenoso ao argiloso) e todos os climas existentes: dos úmidos com excesso de chuva aos secos onde quase não chove; a todas as altitudes e latitudes, desde o nível do mar até 2 a 3 mil metros de altitude. A principal vantagem do eucalipto é o seu alto rendimento em madeira por área em curto prazo.

E ainda, até pouco tempo pouco divulgado ou pesquisado: Recupera o solo destruído por outras culturas anteriores, como veremos abaixo. Precisamos compreender Porque e Como o Eucalipto têm a característica e o poder de recuperar e melhorar solos improdutivos, terras cansadas, áreas esgotadas e abandonadas que estão aí aos milhares de hectares sem nenhum uso, sendo suas vegetações medíocres devorados periodicamente pelos incêndios criminosos, com impactos negativos para o meio ambiente.

1) Porque seu sistema radicular é pivotante e profundo. Atinge e explora camadas de 2 a 3 metros abaixo da superfície. O Eucalipto, como quaisquer outras essências florestais com sistema radicular semelhante, recupera solos exauridos pela erosão ou por cultivos consecutivas anteriores. Muitas culturas por sua própria natureza, cultivadas sem as devidas técnicas de conservação do solo, com combate a erosão, rotação de cultura, correção e adubação correta, deixam o solo sem capacidade futura de produção econômica. Isto aconteceu com as dezenas de anos da exploração de nossas terras montanhosas da Zona da Mata de Minas.

Com a derrubada da mata virgem, veio a exploração do café e cereais, em cultivo de “morro abaixo”. A erosão e a lixiviação dos elementos minerais pela água da chuva que escoria pela superfície (erosão) ou infiltrava para as entranhas da terra (lixiviação) aliados à extração dos fertilizantes naturais pela culturas, com o passar dos anos empobreceu o solo. Esgotou suas reservas de matéria orgânica e mineral. Em muitas regiões abandonou-se o café. Como consequência natural, instalou-se as pastagens com o celebre Capim Gordura ou Meloso, em já terrenos empobrecidos, fracos, erodidos. A sequência café e cereais / pastagens, sem nunca haver correção do solo com calcário e adubação química, transformou essas terras montanhosas, na sua camada superficial de 30 a 60 centímetros de profundidade em áreas totalmente incapacitadas de produtividade econômica para as culturas tradicionais, de sistema radicular superficial.

2) As gramíneas em geral, cereais e capins das pastagens, possuem sistema radicular fasciculado, de cabeleira, pouco profundo, explorando apenas um volume do solo correspondente a cerca de 30 a 60 cm , hoje na maioria , de baixa capacidade produtiva. Nestas mesmas condições, a cultura do eucalipto explorando volume de terra em profundidade cerca de 5 a 10 vezes maior , nutre-se e recicla minerais eternamente perdidos ou sem condições de ser aproveitados pelas outras diversas culturas de um modo geral.
eucalipto 2

O eucalipto trazendo para a superfície, em forma de folhas, galhos, flores, frutos e sementes parte da abundante biomassa representada pela matéria orgânica sintetizada pela fotossíntese, folhagem que se renova anualmente após o derrame das folhas velhas que caem continuamente, faz aflorar na superfície da terra imensa quantidade de matéria orgânica, rica em minerais extraídos em boa parte de camadas profundas que não são atingidas pela maioria das outras culturas de raízes superficiais.

Este importante mecanismo de reciclagem dos elementos químicos, ocultos no interior da terra virgem, que sobem para a superfície transportados pela seiva bruta no interior da madeira até a folhagem, corresponde ao processo da natureza que conserva, melhora, e recupera a fertilidade do solo. Igual ao pousio do terreno para descanso. A Bíblia, em Êxodo 23:10,11 temos: “Seis anos semearás a tua terra e recolherás os seus frutos; porém, no sétimo ano, a deixarás descansar …….”Igualmente Lev. Cap. 25: 2-4. Áreas abandonadas, formam rapidamente a capoeira, recuperando a camada de matéria orgânica superficial.

A decomposição continua desta camada de detritos orgânicos pelos milhares de microrganismos do solo representado por roedores, insetos, minhocas, fungos, bactérias produz o húmus que renova a vida e ativa a fertilidade como era antes na mata virgem da floresta, com alta produtividade para qualquer cultivo. Devemos lembrar que a vegetação do mato rasteiro que surge espontaneamente no eucaliptal também contribui para o incremento da matéria orgânica principalmente as leguminosas rasteiras que fixam o nitrogênio atmosférico, adubando a terra.

Quando se corta o eucalipto na colheita após 5 a 7 anos no caso da celulose, exporta-se apenas o tronco mais grosso, permanecendo a galhada com folhagem que enriquece o solo. Além de uma verdadeira mata escondida, representada pelas raízes enterradas e distribuídas no solo, que apodrecendo e decompondo, enriquece- o da matéria orgânica já enterrada, deixando aberto milhões de canais para um benéfica e necessária aeração de vital importância na respiração das raízes, originando grande porosidade para a necessária circulação dos elementos vitais Ar / Água, melhorando assim as características Físicas/Químicas dos diversos constituintes do solo.

A água que se diz que o eucalipto bebe em excesso, é reciclada para a atmosfera . Cai novamente no solo em forma de chuva. Assim, as precipitações no reflorestamento com o eucalipto, além de não provocar a erosão que danifica o solo, que entope os rios e forma as enchentes, retém e utiliza a água sem gastar, pois a devolve na atmosfera e na terra pela chuva, permanecendo no interior dos continente, evitando escorrer rápido para os oceanos que já contém água em excesso. O eucalipto usa e conserva o precioso liquido – a água-, sem poluí-la e evitando que ela seja agente de poluição, como acontece quando escorre e provoca erosão.

                                                                                  Engº Agrº Ruy Gripp – 10/03/2004.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta